sexta-feira, 30 de maio de 2014

Perto do Coração Selvagem - Clarice Lispector

             Descobri em cima da chuva um milagre — pensava Joana —, um milagre partido em estrelas grossas, sérias e brilhantes, como um aviso parado: como um farol. O que tentam dizer? Nelas pressinto o segredo, esse brilho é o mistério impassível que ouço fluir dentro de mim, chorar em notas largas, desesperadas e românticas. Meu Deus, pelo menos comunicai-me com elas, fazei realidade meu desejo de beijá-las. De sentir nos lábios a sua luz, senti-la fulgurar dentro do corpo, deixando-o faiscante e transparente, fresco e úmido como os minutos que antecedem a madrugada. Por que surgem em mim essas sedes estranhas? A chuva e as estrelas, essa mistura fria e densa me acordou, abriu as portas de meu bosque verde e sombrio, desse bosque com cheiro de abismo onde corre água. E uniu-o à noite. Aqui, junto à janela, o ar é mais calmo. Estrelas, estrelas, zero. A palavra estala entre meus dentes em estilhaços frágeis. Porque não vem a chuva dentro de mim, eu quero ser estrela. Purificai-me um pouco e terei a massa desses seres que se guardam atrás da chuva. Nesse momento minha inspiração dói em todo o meu corpo. Mais um instante e ela precisará ser mais do que uma inspiração. E em vez dessa felicidade asfixiante, como um excesso de ar, sentirei nítida a impotência de ter mais do que uma inspiração, de ultrapassá-la, de possuir a própria coisa — e ser realmente uma estrela. Aonde leva a loucura, a loucura. No entanto é a verdade. Que importa que em aparência eu continue nesse momento no dormitório, as outras moças mortas sobre as camas, o corpo imóvel? Que importa o que é realmente? Na verdade estou ajoelhada, nua como um animal, junto à cama, minha alma se desesperando como só o corpo de uma virgem pode se desesperar. A cama desaparece aos poucos, as paredes do aposento se afastam, tombam vencidas. E eu estou no mundo solta e fina como uma corça na planície. Levanto-me suave como um sopro, ergo minha cabeça de flor e sonolenta, os pés leves, atravesso campos além da terra, do mundo, do tempo, de Deus. Mergulho e depois emerjo, como de nuvens, das terras ainda não possíveis, ah ainda não possíveis. Daquelas que eu ainda não soube imaginar, mas que brotarão. Ando, deslizo, continuo, continuo... Sempre, sem parar, distraindo minha sede cansada de pousar num fim. — Onde foi que eu já vi uma lua alta no céu, branca e silenciosa? As roupas lívidas flutuando ao vento. O mastro sem bandeira, ereto e mudo fincando no espaço... Tudo à espera da meia-noite... — Estou me enganando, preciso voltar. Não sinto loucura no desejo de morder estrelas, mas ainda existe a terra. E porque a primeira verdade está na terra e no corpo. Se o brilho das estrelas dói em mim, se é possível essa comunicação distante, é que alguma coisa quase semelhante a uma estrela trêmula dentro de mim. Eis-me de volta ao corpo. Voltar ao meu corpo. Quando me surpreendo ao fundo do espelho assusto-me. Mal posso acreditar que tenho limites, que sou recortada e definida. Sinto-me espalhada no ar, pensando dentro das criaturas, vivendo nas coisas além de mim mesma. Quando me surpreendo ao espelho não me assusto porque me ache feia ou bonita. É que me descubro de outra qualidade. Depois de não me ver há muito quase esqueço que sou humana, esqueço meu passado e sou com a mesma libertação de fim e de consciência quanto uma coisa apenas viva. Também me surpreendo, os olhos abertos para o espelho pálido, de que haja tanta coisa em mim além do conhecido, tanta coisa sempre silenciosa. Por que calada? Essas curvas sob a blusa vivem impunemente? Por que caladas? Minha boca, meio infantil, tão certa de seu destino, continua igual a si mesma apesar de minha distração total. Às vezes, à minha descoberta, segue-se o amor por mim mesma, um olhar constante ao espelho, um sorriso de compreensão para os que me fitam. Período de interrogação ao meu corpo, de gula, de sono, de amplos passeios ao ar livre. Até que uma frase, um olhar — como o espelho — relembram-me surpresa outros segredos, os que me tornam ilimitada. Fascinada mergulho o corpo no fundo do poço, calo todas as suas fontes e sonâmbula sigo por outro caminho. — Analisar instante por instante, perceber o núcleo de cada coisa feita de tempo ou de espaço. Possuir cada momento, ligar a consciência a eles, como pequenos filamentos quase imperceptíveis mas fortes. É a vida? Mesmo assim ela me escaparia. Outro modo de captá-la seria viver. Mas o sonho é mais completo que a realidade, esta me afoga na inconsciência. O que importa afinal: viver ou saber que se está vivendo? — Palavras muito puras, gotas de cristal. Sinto a forma brilhante e úmida debatendo-se dentro de mim. Mas onde está o que quero dizer, onde está o que devo dizer? Inspirai-me, eu tenho quase tudo; eu tenho o contorno à espera da essência; é isso? — O que deve fazer alguém que não sabe o que fazer de si? Utilizar-se como corpo e alma em proveito do corpo e da alma? Ou transformar sua força em força alheia? Ou esperar que de si mesma nasça, como uma conseqüência, a solução? Nada posso dizer ainda dentro da forma. Tudo o que possuo está muito fundo dentro de mim. Um dia, depois de falar enfim, ainda terei do que viver? Ou tudo o que eu falasse estaria aquém e além da vida? — Tudo o que é forma de vida procuro afastar. Tento isolar-me para encontrar a vida em si mesma. No entanto apoiei-me demais no jogo que distrai e consola e quando dele me afasto, encontro-me bruscamente sem amparo. No momento em que fecho a porta atrás de mim, instantaneamente me desprendo das coisas. Tudo o que foi distancia-se de mim, mergulhando surdamente nas minhas águas longínquas. Ouço-a, a queda. Alegre e plana espero por mim mesma, espero que lentamente me eleve e surja verdadeira diante de meus olhos. Em vez de me obter com a fuga, vejo-me desamparada, solitária, jogada num cubículo sem dimensões, onde a luz e a sombra são fantasmas quietos. No meu interior encontro o silêncio procurado. Mas dele fico tão perdida de qualquer lembrança de algum ser humano e de mim mesma, que transformo essa impressão em certeza de solidão física. Se desse um grito — imagino já sem lucidez — minha voz receberia o eco igual e indiferente das paredes da terra. Sem viver coisas eu não encontrarei a vida, pois? Mas, mesmo assim, na solitude branca e limitada onde caio, ainda estou presa entre montanhas fechadas. Presa, presa. Onde está a imaginação? Ando sobre trilhos invisíveis. Prisão, liberdade. São essas as palavras que me ocorrem. No entanto não são as verdadeiras, únicas e insubstituíveis, sinto-o. Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome. — Sou pois um brinquedo a quem dão corda e que terminada esta não encontrará vida própria, mais profunda. Procurar tranqüilamente admitir que talvez só a encontre se for buscá-la nas fontes pequenas. Ou senão morrerei de sede. Talvez não tenha sido feita para as águas puras e largas, mas para as pequenas e de fácil acesso. E talvez meu desejo de outra fonte, essa ânsia que me dá ao rosto um ar de quem caça para se alimentar, talvez essa ânsia seja uma idéia — e nada mais. Porém — os raros instantes que às vezes consigo de suficiência, de vida cega, de alegria tão intensa e tão serena como o canto de um órgão — esses instantes não provam que sou capaz de satisfazer minha busca e que esta é sede de todo o meu ser e não apenas uma idéia? Além do mais, a idéia é a verdade! grito-me. São raros os instantes. Quando ontem, na aula, repentinamente pensei, quase sem antecedentes, quase sem ligação com as coisas: o movimento explica a forma. A clara noção do perfeito, a liberdade súbita que senti... Naquele dia, na fazenda de titio, quando caí no rio.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Poesia, 5:00 horas da manhã, já indo dormir, caindo de sono?

Sim, poesia sim, não se pode dormir no ponto
Vida de escritor,
é uma eterna reticências...
Sem hora para despertar as letras
Sem hora para a abstinência

Cedo ou tarde
Na rua, no banheiro, no ônibus, no mercado...

Quando ela vem
Vem me cercando por todos os lados...

Aí, não tem jeito
Pego o papel e a caneta...

E vou bater continência

sábado, 24 de maio de 2014

Pai nosso que estais dentro de cada um nós
Santificado seja o meu, o seu, o nosso, o vosso nome
Vai cada um para o seu próprio reino
Seja feita, sem opressões, as suas próprias vontades
Assim na Terra, como no inferno, como em um bar, como em seu quarto, como em um puteiro, como no céu
Esse é o pão nosso de cada dia
De ontem, de amanhã, de hoje... De agora

Perdoo a todos, sem exceção, os que me têm ofendidos
Perdoem-me todos, se eu não cair nessa tentação... do dinheiro
E para livrar-me desse mal
Amei, amei, amei, amei...



Amém!!

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Meu único receio
É que seu receio
Acabe com nosso recreio
Não é do seu aplauso que preciso

Tudo termina

Quando termina a poesia



Quanto ao resto...........................................................................................................


Haja reticências...............................................................................................................................

segunda-feira, 19 de maio de 2014

David Thoreau

Quem nada possui não luta com encargos desnecessários herdados e já considera bastante a tarefa de sujeitar e cultivar seu quinhão de carne. (...)
Por uma sina ilusória, vulgarmente chamada necessidade, desgastam-se a amontoar tesouros que a traça e a ferrugem estragarão e que surgem ladrões para roubar. É uma vida de imbecis, como perceberão ao fim dela, se não antes. (...)
Por simples ignorância e equívoco, muita gente, mesmo neste país relativamente livre, se deixa absorver de tal modo por preocupações artificiais e tarefas superfluamente ásperas, que não pode colher os frutos mais saborosos da vida.
A excessiva lida torna-lhe os dedos demasiado trêmulos e desajeitados para isso. Na realidade, o trabalhador não dispõe de lazer para uma genuína integridade dia a dia, nem se pode permitir a manutenção de relações mais humanas com outros homens, pois seu trabalho seria depreciado no mercado. Não há condições para que seja outra coisa senão uma máquina. Como pode ele ter em mente a sua ignorância — atitude indispensável ao crescimento interior — quando tem de usar seus conhecimentos com tanta freqüência? Às vezes, antes de julgá-lo, deveríamos dar-lhe roupa e comida, além de chamá-lo para beber conosco. As qualidades mais requintadas de nossa natureza, feito a pelúcia de certos frutos, só podem ser preservadas pelo manuseio delicado. E contudo, não nos tratamos assim ternamente, nem a nós mesmos, nem aos outros. 

Do livro "A Vida nos Bosques"... Isso é só na primeira página... Mestre!!

domingo, 18 de maio de 2014

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Não adianta me explicar, não precisa, poupe-se...

O tamanho da sua vingança
É que é o tamanho do seu amor...


Ao contrário

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Quantas ditaduras ainda precisam ser derrubadas,
quantas guerras ainda precisam ser travadas,
quanto sangue ainda precisa ser derramado?

Não, não estou falando dos governos lá fora...




Estou falando é do governo sobre si mesmo

Desejo

            ... Passei por ruas agitadas, casas grandes, salas vazias, cheias de gente... que se vê. Passei por ruas desertas, praças grandes, salas pequenas, florestas vazias, cheias de gente... que não se vê. Já mergulhei fundo, voei alto, escrevi bobagens, páginas vazias, cheias de palavras... Cheias de gente, cheias de vazios... que não se vê. Tomei café da manhã à noite, almocei de manhã cedinho, às 10:30h, jantei de madrugada... Mulheres caladas, esbravejantes, bem estressantes e bem humoradas... Ladeiras íngremes subi, vagarosamente andei por descidas sadias... Idas e vindas, idas e vindas, idas e vindas... Até gozar... Buscar o óvulo, o processo inicia-se novamente... Até um dia me tornar gente.

            As coisas como são e não como os que se acham sãos acham que são. A realidade nua e crua, pelada, sem enfeites, sem roupas a esconder a essência... Começa-se então a sessão da eterna falação: blá-blá-blá... A verdade vestida de todas as cores, os mais belos estilos de teorias: não há verdade. Só existe o debate, porque desviou-se para as roupas a atenção. Enquanto eu, presto atenção, babando de desejo, na nudez que se esconde, atrás dos mais finos tecidos, feitos para alimentar vaidades, feitas para esconder repressões... Quero lamber, carinhosamente e ferozmente, perto do coração selvagem, o sexo da verdade... De pernas abertas. Quero que ela goze de verdade, e não por causa de uma marca, que foi vista na TV um dia... Quero fuder com a verdade...................................................Quero nascer de verdade... 

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Todo mundo quer ser amado
Mas todo mundo tá armado
Justamente,
porque falta amor no mundo

Ame e desarmarás

Não reclame,
essa é a grande arma sua


Apenas ame...





E entenderás

terça-feira, 6 de maio de 2014

Quando nasceu minha dor
Essa dor de saber que a dor é inevitável
Essa dor de saber que esse ser tem um coração desregulado
E que enxerga que muitas dores poderiam ser evitadas...

Cuidei dela, como de uma filha cuidaria
Ou como cuidaria, da amada companhia
Brigamos muitas vezes, é claro
Quantas vezes chorei, desesperei?
Mas, quantas vezes, também, ensinaste-me a perdoar?



E o tempo passou...



Hoje,
é ela quem cuida de mim...

Ensinou-me até a fazer poesia

Foi ela que me deu coragem para largar meu emprego seguro,
e sair viajando, seguro de que, muitas coisas, eu aprenderia
Deu-me forças até para escrever livros
Sábia dor, sábia agonia

Ensinou-me tudo, sobretudo, a amar
Coisa que parece rara,
nessa era de tanta tecnologia

Amada dor...
Nessa arte de amar,
já não sou tão amador
Foi só eu aprender a lidar
Aceitei você do jeito que és
Parte inevitável da vida

E, apesar de ter reclamado tanto, tantas vezes, tantos dias...
Era tudo raiva
Você mesma sabia que até eu mesmo sabia
Era porque a ferida ainda ardia
E ainda arde
E sempre arderá

Mas, agora, é diferente
Quando estou chorando,
agora eu sei:
não vens para me fazer mal
Pelo contrário,
é para me fazer companhia

Foi com você, amada dor
Que aprendi o que é a verdadeira alegria...

De viver

A dor, pode até ser só dor para alguns
Mas, para mim,
é a vida parindo alegria

É um casamento

Muitos não suportam

Pedem divórcio

E, de algum modo,
se acomodam

Ou  vão embora...


Amada dor, você bem sabe
Nunca te abandonei
Nunca me abandonastes...

Foi a única que me acompanhou todos os dias
Na saúde ou na doença
Na tristeza ou na alegria

Hoje, pego-me perguntando, devaneando, leve, sereno, fumando um cigarro:

- Querida dor... Sem você... O que será que eu seria?
E se você é incapaz de ouvir o meu silêncio
Não perca tempo me cobrando, reclamando...

Seu lugar não é, 
de fato,

ao meu lado

sábado, 3 de maio de 2014

Minha pureza
Reconquistada a duras penas
Madrugadas sombrias, febris, intensas
Insônias insanas, frias, tensas, ardis
Vem recheada de impurezas....................... pueris

Qualquer poeira levantada
Foi só o vento que passou
Foge ao meu controle
Encontro-me ao ar livre agora

Sábia natureza... quem sou?

Quem sabe ela não quer saber
(não eu)
Se o outro é puro
a ponto de confiar nessas minhas impurezas..........pueris?

Minha barba, que já começa a mostrar seus fios brancos
Esconde a criança que sou...

Não, meu amor, não serei perfeito...
Nem as crianças, deuses da inocência, são...

Como você olha para mim...
Será que é o que eu sou?

Não jogue a responsabilidade no meu colo
Ponha-me, sim, no seu colo...

Só assim... Só assim...

Do contrário,
Tudo sairá pelo avesso
Tudo sairá pelo contrário







Essa barba branca
Essa impurezas
São puros disfarces

É só a natureza, não eu, quem sabe?

Querendo testar


o seu amor por mim