quinta-feira, 29 de setembro de 2011

terça-feira, 27 de setembro de 2011

É assim:

Há mil motivos para desistir e todos muito convincentes...

Mas minha vontade de não desistir é muito maior e convincente mil vezes mais


Pode vir leões e cobras

O vira-lata aqui é chato

Mas não me rastejo

Nem quero ser Rei

Apenas não desistirei

Porque o que eu quero,

é, apenas,

uma questão de sobrevivência

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Para sempre

Acabou a inspiração...
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Não sai mais nada

Tanto tempo
e a angústia dentro de mim pergunta por ela...

Calma, alma!! O que se pode fazer?
Não posso ficar bravo com ela
Desde o início de tudo ela foi tão gentil...Sempre!!

Resta-nos apenas esperar
Quem sabe um dia ela volte

Sabe a serenidade, quando o amor é de verdade?
Calma, alma... sei que dói a saudade...

Se for para voltar, ela voltará
E se, por acaso, não for mais,
ainda sim, será assim:
para sempre e nada mais!

Para sempre,
mesmo que seja nunca mais!

sábado, 17 de setembro de 2011

Livro Publicado

"Minha alma transgressora me traz paz. Sentir, nesse mundo, às vezes me parece o inverso. Sigo rimando contra a maré. Rasguei meu manual de instruções e fiz uma fogueira na beira da praia para tocar meu violão. Aos que esquecem de sonhar, não esqueçam que até o inconsciente sonha. Por que quando abrimos os olhos, insistimos em continuar dormindo, cegos? Sonolentos, vão nos roubar e nem vamos perceber. Se você sonha e sente, como um eterno brincar (mesmo que doa), esse livro corre um sério um risco de te fazer sorrir..."

"Meus Versos, Meu Universo"

Vendas:

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=22515469&sid=87374824113102814645480118

www.biblioteca24horas.com

ou

www.amazon.com
(para quem está fora do Brasil)

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

De frente ao lago
e logo a lua,
larga e nua

Ligo os pontos,
as estrelas
Desenho meu mundo
Para se desligar do mundo?
É só pressionar o botão do mudo
Largar a máscara
Alargar a alma
Até ela ficar nua
Assim como ela,
a lua

Alargo minha mente
O céu, meu mundo
Eu e a lua
Um amor mútuo
Solitária e sua
Alaga meus olhos
Nesse amor mudo
Só de olhos

Olho para o céu
e ligo os pontos
Desenho você
que eu quero ver
logo e nua
Assim como a lua
Um amor mudo
Duas almas nuas
E de luz de fundo:
O lago e a lua

sábado, 10 de setembro de 2011

Haja raça

A dose desce doce,
antes do meio dia,
para ver se o dia continua doce...

Trabalho duro para erguer o concreto
e o abstrato se esconde na beleza do cimento...

Haja cachaça,
que os prédios hoje não são menos de quinze andares não...

Haja raça,
para suportar essa raça chamada exploração...

terça-feira, 6 de setembro de 2011