sábado, 14 de maio de 2011

Eu queria que minha professora fosse igual à sua...

Eu queria que minha professora fosse igual à sua,
quando eu era pequeno
Tantos me achavam tão pequeno
Porque não enxergavam meu tamanho
Não que eu fosse grande
Só era estranho
E os meus professoras eram tão iguais
O que eu achava estranho

Queria que minha professora, assim como a sua, dissesse:
- Nossa!! Que bom que você escreve! Põe para fora, isso te deixará leve!
Agora eu aqui:
Pesado...
Mas, depois de tanto tempo passado, esqueci o passado
Vai sem professora mesmo:
Minha alma já não agüenta mais tanto silêncio!



Dedicado à professora Genny Xavier http://badeguardados.blogspot.com/


CLARA PALAVRA QUE EM NOITE FOGE

A máquina digita o grito
que sai da boca do poeta
e lembra-lhe todas as dores
que pairam no mundo.
O poeta aspira a dor que vem de fora
como a engolir um monstro...
Neste instante,
torna-lhe disforme o corpo
e as mãos tremem
para esboçar a metamorfose.
O poeta tem agora a cara do espanto,
o corpo da fome
e a alma de bandido...
E, quanto mais se adentra na poesia,
mais lhe escapa a imagem
da suave manhã...
E o poeta, em seu delírio,
vagueia pelo deserto rachado,
toma veneno e luta com feras,
abatendo a golpes de espada
verdes dragões
- estes têm as patas de ferro
e soltam insultos pelas ventas -
mas, ainda assim,
o poeta surrealiza uma canção
e presenteia os homens de toda a terra.

3 comentários:

  1. Essa sorte eu tive mesmo, rs. Genny, professora de muitas coisas bonitas sobre ser gente.

    Muito, muito legal.
    E continue, que sua alma tem muita coisa pra poemificar ainda.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Querido Ivan,

    Num tempo em que professores são agredidos...num tempo em que muitos fazem de conta que ensinam para tantos que fazem de conta que aprendem...num tempo que se deseja ser médico, jogador de futebol, advogado, cantor de música sertaneja, dentista, mas não se deseja ser professor...num tempo em que a leitura se perdeu, junto com a consciência crítica, a ética e a cidadania...Você não imagina o quanto as tuas palavras me tocam e me fazem sentir realizada pela profissão que escolhi. Diante desse tempo difícil de crise do saber e da qualidade do que se consome em termos de arte e cultura, tua homenagem tão franca e sincera é um "bálsamo" no meu ânimo para continuar em frente, gostando do que faço e sentindo orgulho disso.
    Iana foi e sempre será uma queridissima aluna e uma poetisa com potência inovadora para a arte de escrevinhar versos.
    Seguirei teu blog e certamente será um prazer, conhecer mais teus escritos.
    Muitíssimo grata pelo carinho...quem dera se tivesse sido meu aluno (rsss).
    Beijos
    Genny

    P.S. Volte sempre em meu "baú", será um prazer.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir