segunda-feira, 26 de abril de 2010

Para o amigo-irmão Thiago Nuts

Estamos aí
Sendo confundidos com pessoas comuns
Sendo cobrados, como se devêssemos explicações a eles
E por sermos diferentes, sabemos a arte de perdoá-los

Cada um trancado em seu quarto
Com palavras e idéias sufocando o peito
E a falta de coragem de gritá-las, de pô-las para fora
Suportam tudo isso porque têm um computador para distraí-los

A vida deixou de ser alimentada de sangue
Basta agora chips modernos
Impressionam-se com um processador que vale por quatro
E não estão nem aí para o ser humano que vale e sente por mil

Nós não
Estamos aí
Acima de tudo para confundir
Às vezes, confundimos a nós mesmos
Mas uma coisa é certa:
Perto de morrermos, não estaremos confusos
Pensando se valeu a pena ou não ter vivido

Aos 46 do segundo tempo
Eles hão de nos entender

5 comentários:

  1. Ou não. ;)

    Beijo, rapaz. Estamos aí.

    ResponderExcluir
  2. estamos aí e fico contente por estar aqui. amei demasiado o teu poema. lindo

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Talles!!

    Aparece sempre que quiser... :D

    ResponderExcluir
  4. li no livro :)

    segundo tempo com prorrogação !

    ResponderExcluir